quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Possíveis Causas da Fadiga Física



O que se precisa saber sobre fadiga

fadiga 2


A palavra fadiga é usada cotidianamente para descrever uma série de males subjetivos intrínsecos que vão desde um estado genérico de letargia até uma sensação específica de calor nos músculos provocada pelo trabalho intenso. Fisiologicamente, "fadiga" descreve a incapacidade de continuar funcionando ao nível normal da capacidade pessoal devido a uma percepção ampliada do esforço. A fadiga é onipresente na vida cotidiana, mas geralmente torna-se particularmente perceptível durante exercícios pesados. É o chamado esgotamento, na essência da palavra (http://pt.wikipedia.org/wiki).

Existem três formas de fadiga: uma se manifesta como uma incapacidade molecular local para desenvolver um trabalho e a outra se manifesta como uma sensação abrangente de falta de energia, corporal ou sistêmica. Devido a estas duas facetas divergentes de sintomas de fadiga, tem sido proposto que as causas da fadiga sejam encaradas sob perspectivas "central" e "periférica" (http://pt.wikipedia.org/wiki).

A fadiga pode ser perigosa quando são realizadas tarefas que demandem concentração constante, tais como dirigir um veículo. Quando uma pessoa está suficientemente fatigada, ele ou ela pode experimentar períodos de microsono (perda de concentração). Todavia, testes cognitivos objetivos deverão ser feitos para diferenciar os déficits neurocognitivos dos males cerebrais daqueles atribuíveis ao cansaço (http://pt.wikipedia.org/wiki).

Acredita-se que a sensação de fadiga origina-se no sistema articular reticular na base do cérebro. Estruturas músculo-esqueléticas podem ter co-evoluído com estruturas cerebrais apropriadas de modo que todo o conjunto funcione de forma construtiva e adaptativa. Os sistemas conjuntos de músculos, juntas e funções proprioceptivas e cinestésicas mais partes do cérebro evoluem e funcionam conjuntamente de forma unitária) (http://pt.wikipedia.org/wiki).

Não se pode, assim, confundir fadiga com sonolência, tendo a primeira como principal característica a falta de energia e a segunda a vontade de dormir propriamente dita.

A fadiga pode vir de um excesso de exercícios físicos, estresse, tédio ou insônia, conforme já se mencionou, mas ela também pode ser um sinal de uma doença mental ou física mais grave. Se você diminuir o ritmo de seus exercícios, estiver se nutrindo bem, se suas causas de estresse se dissiparam, é aconselhável procurar um médico.

A fadiga em si não é uma doença séria, mas ela pode vir a ser um sintoma de depressão, hipo ou hipertireoidismo, entre outras doenças, por isso atenção à fadiga quando ela se estabelecer de forma continuada.

As causas que podem gerar a fadiga são muitas

fadiga 1













  • anemia;
  • depressão;
  • distúrbios do sono;
  • hiper ou hipotireoidismo;
  • uso de álcool ou drogas.
Existem algumas doenças das quais podem decorrer a fadiga, como:
  • anorexia;
  • artrite;
  • doenças autoimunes;
  • câncer;
  • diabetes;
  • fibromialgia;
  • infecções;
  • doença renal;
  • doença hepática;
  • desnutrição.
Alguns medicamentos também podem causar sintomas de fadiga, como:
  • anti-histamínicos;
  • remédios para pressão arterial;
  • remédios para dormir;
  • esteroides;
  • diuréticos.
Síndrome da fadiga crônica

Essa doença inicia-se com sintomas muito parecidos com os da gripe comum, mas difere em sua duração, que é de seis meses ou mais. É uma doença que atinge preferencialmente pessoas entre 15 e 45 anos. Duas em cada 3 pessoas atingidas pela fadiga são mulheres. O grande problema dessa doença é o seu difícil diagnóstico, pois é muito associada à virose ou gripe.

Os principais sintomas da fadiga são:
  • vertigem;
  • visão borrada;
  • pouca urina;
  • inchaço ou aumento repentino de peso;
  • fraqueza sem explicação;
  • pele seca;
  • intolerância ao frio;
  • acordar várias vezes durante a noite;
  • dores de cabeça.
Procure um médico se sentir os sintomas da fadiga, pois ele saberá de onde vem isso, se é problema no coração, tireoide, sistema nervoso, colhendo também informações sobre o seu estilo de vida, questionamentos de quanto tempo apresenta tais sintomas, se já teve esse problema antes, horas de sono, dificuldade para dormir, cansaço durante o dia, como ainda seus relacionamentos, sua dieta, seus exercícios físicos, seu apetite, se toma algum remédio, etc. 

O médico também poderá pedir exames de sangue, renal, hepáticos, urina e tireoide. De posse dessas informações, o médico irá construir um panorama geral, onde poderá diagnosticar o que está lhe causando a fadiga.

Dicas para afastar a fadiga

afastar a fadiga


  • espeite o tempo de sono que seu corpo pede;
  • alimente-se bem, mantenha o equilíbrio entre os alimentos e nunca esqueça de se hidratar;
  • faça exercícios físicos respeitando seus limites e com a ajuda de um profissional;
  • relaxe; se não estiver conseguindo, tente métodos alternativos como ioga ou meditação;
  • não faça mais atividades do que tem capacidade de realizar; divida seu tempo entre trabalho, família e lazer. Você não precisa ser “super” em tudo o tempo todo;
  • evite nicotina, álcool e drogas.
Fadiga nas mulheres
Como já relatado, duas em cada três pessoas com fadiga são mulheres. Nos dias atuais, as mulheres estão sob uma tremenda carga de responsabilidades, diferentemente do que acontecia em décadas passadas. Hoje a mulher trabalha muito, além disso tende a cuidar mais da casa e da família do que o homem, e esse estresse pode acionar a fadiga. 

Outro fator que pode ser causa da fadiga é um desequilíbrio hormonal entre uma relação desequilibrada dos níveis de progesterona e estrogênio. Outro vilão para as mulheres, principalmente as jovens, pode ser o uso de anticoncepcionais.

Suplementos de ferro podem ajudar?
Em uma pesquisa feita com mulheres entre 18 e 53 anos, que apresentavam sintomas de fadiga, descobriu-se que os níveis de ferritina eram inferiores a 50 microgramas por litro, sendo esse o mínimo para ser considerado normal. 

Os resultados foram de que da metade do grupo que ingeriu 80 miligramas de ferro todos os dias, alguns disseram se sentir melhor dos sintomas da fadiga após 3 meses. Os níveis de ferro só podem ser diagnosticados em exames de sangue, portanto, procure o seu médico.

Atividades Físicas
As atividades físicas podem ajudar homens e mulheres com fadiga, ao contrário do se pode pensar. Pesquisadores mostram que a falta de exercício causa um círculo vicioso, no qual os pacientes continuam deteriorando-se, a não ser que comecem a fazer alguma atividade física. Testes feitos com pessoas que mostravam sinais de fadiga e pessoas saudáveis, mas sedentárias, demonstraram que mesmo as sedentárias demoravam mais para cansar. É certo afirmar que as atividades físicas contribuem bastante para a redução da fadiga.